sábado, 12 de maio de 2012


Como Apoiar uma Mãe que perdeu seu Bebê
Olá !


Quando acontece algo muito triste com alguém, nunca sabemos como agir, encontrar palavras é muito difícil, ás vezes querendo ajudar acabamos fazendo com que a pessoa sofra mais, um simples abraço ou "estou aqui " já basta, quanto mais palavras, mais chances de se falar o que não se deve, a pessoa está fragilizada, então tudo se torna mais difícil... Li esta carta em um blog e achei interessante, me identifiquei muito, pode ser que você se identifique também.


Esta lista foi feita para ajudar outras pessoas a entender e respeitar a dor da perda gestacional. 




Quando estiver tentando ajudar uma mulher que perdeu um bebê, nãoofereça sua opinião pessoal sobre sua vida, suas escolhas, seus 
projetos para seus filhos. Nenhuma mulher nesta situação está  procurado por opiniões (de leigos) sobre porque isto aconteceu e c omo ela deveria se comportar.  




Não diga: É a vontade de Deus. Mesmo se nós somos membros de uma mesma congregação, a menos que você seja um dirigente desta igreja e 
eu estiver procurando por sua orientação espiritual, por favor, não  deduza o que Deus quer para mim. 


A vontade de Deus é que ninguém 
sofra.Ele apenas permite .Apesar de saber que muitas coisas  terríveis que acontecem são permitidos por Deus, isto não faz estes  acontecimentos menos terríveis.  


Não diga: Foi melhor assim havia alguma coisa errada com seu bebê. O fato de haver alguma coisa errada com o bebê é que me faz tão 
triste. Meu pobre bebê não teve chance. Por favor, não tente me  confortar destacando isto.  




Não diga: Você pode ter outro. Este bebê nunca foi descartável. Se tivesse a escolha entre perder esta criança ou furar meu olho com um 
garfo, eu teria dito: Onde está o garfo? Eu morreria por esta  criança, assim como você morreria por seu filho. Uma mãe pode ter dez  filhos, mas sempre sentirá falta daquele que se foi,  






Não diga: Agradeça a Deus pelo(s) filho(s) que você tem. Se a sua mãe morresse num terrível acidente e você estivesse triste, sua tristeza seria menor porque você tem seu pai? 


Não diga: Agradeça a Deus porque você perdeu seu filho antes de amá- lo realmente. Eu amava meu filho ou minha filha. Ainda que eu tenha perdido meu bêbê tão cedo ou quando nasceu, eu o amava. 


Não diga: Já não é hora de deixar isto para trás e seguir em frente? Esta situação não é algo que me agrada. Eu queria que nunca tivesse 
acontecido. Mas aconteceu e faz parte de mim para sempre.A tristeza  tem seu tempo que não é o meu ou o seu.  






Não diga: Eu entendo como você se sente. A menos que você tenha perdido um bebê, você realmente não sabe como eu me sinto.
 E mesmo  que você tivesse perdido, cada um vivencia esta tristeza de modo  diferente.  


Não me conte estórias terríveis sobre sua vizinha, prima ou mãe que teve um caso parecido ou pior. A última coisa que preciso ouvir agora é que isto pode acontecer seis vezes pior ou coisas assim.


Estas estórias me assustam e geram noites de insônia assim também 
como tiram minhas esperanças. Mesmo as que tenham tido final feliz,  não compartilhe comigo.  




Não finja que nada aconteceu e não mude de assunto quando eu falar sobre o ocorrido. 
Se eu disser antes do bebê morrer... Ou quando eu estava grávida...não se assuste. 


Se eu estiver falando sobre o  assunto, isto significa que quero falar. Deixe-me falar. Fingir que  nada aconteceu só vai me fazer sentir incrivelmente sozinha. 


Não diga Não é sua culpa. Talvez não tenha sido minha culpa, mas era minha responsabilidade e eu sinto que falhei. O fato de não ter tido 
êxito, só me faz sentir pior. Aquele pequenino ser dependia  unicamente de mim para trazê-lo ao mundo e eu não consegui.  


Eu  deveria trazê-lo para uma longa vida e não pude dar-lhe ao menos sua  infância. Eu estou tão brava com meu corpo que você não pode  imaginar.  


Não me diga: Bem, você não estava tão certa se queria ter este bebê... Eu já me sinto muito culpada sobre ter reclamado sobre mal 
estar matinais ou que eu não me sentia preparada para esta gravidez  ou coisas assim. 




Eu já temo que este bebê morreu porque eu não tomei  as vitaminas, comi ou tomei algo que não devia nas primeiras semanas  quando eu não sabia que estava grávida. Eu me odeio por cada minuto  que eu tenha limitado a vida deste bebê. Se sentir insegura sobre  uma gravidez não é a mesma coisa que querer que meu bebê morra, eu nunca teria feito esta escolha. 


Diga: Eu sinto muito. É o suficiente. Você não precisa ser eloqüente. As palavras dizem por si. 


Diga: Ofereço-lhe meu ombro e meus ouvidos. 


Diga: Vocês vão ser pais maravilhosos um dia ou vocês são os pais mais maravilhosos e este bebê teve sorte em ter vocês. Nós dois precisamos disso. 


Diga: Eu fiz uma oração por vocês. Mande flores ou uma pequena mensagem. Cada uma que recebi, me fez sentir que meu bebê era amado. 
Não envie novamente se eu não responder.  


Não ligue mais de uma vez e não fique brava (o) se a secretária eletrônica estiver ligada e eu não retornar sua chamada. Se nós 
somos amigos íntimos e eu não estiver respondendo suas ligações, por  favor, não tente novamente. Ajude-me desta maneira por enquanto.  


Não espere tão cedo que eu apareça em festas infantis e ou chás para bebes ou vibre de alegria no dia das mães.Na hora certa estarei lá. 


Se você é meu chefe ou companheiro de trabalho: 


Reconheça que eu sofri uma morte em minha família não é simplesmente uma licença médica. Reconheça que além dos efeitos colaterais 
físicos, eu vou estar triste e angustiada por algum tempo. Por  favor, me trate como você trataria uma pessoa que vivenciou a morte  trágica de alguém que amava. Eu preciso de tempo e espaço.  


Por favor, não traga seu bebê ou filho pequeno para eu ver. Nem fotos.Se sua sobrinha está grávida, ou sua irmã teve um bebê há 
pouco, por favor, não divida comigo agora. Não é que eu não possa  ficar feliz por ninguém mais, é só que cada vez que vejo um bebê  sorrindo ou uma mãe envolta nesta felicidade, me traz tanta saudade  ao coração que eu mal posso agüentar. 
Eu talvez diga olá, mas talvez  eu não consiga reprimir as lágrimas. Talvez ainda se passarão  semanas ou meses antes que eu fique pelo menos uma hora sem pensar  nisso. 
Você saberá quando eu estiver pronta.Eu serei aquela que  perguntará pelos bebês, ou como está aquele garotinho lindo? 


Acima de tudo, por favor, lembre-se que isto é a pior coisa que já me aconteceu. 


A palavra morte é pequena e fácil de dizer. Mas a morte do meu bebê é única e terrível. Vai levar um bom tempo até que eu descubra como conviver com isto. 


Ajude-me. Ore por miim. 


(Carta escrita por uma enfermeira americana que perdeu seu bebê ainda em seu ventre.Esta mensagem expressa exatamente o que todas 
nós que passamos pelo mesmo drama terrível precisamos e achamos 
melhor enquanto a cura não vem.)




Esta mensagen eu retirei de um blog que tem me ajudado muito da minha amiga Nathacha Caroline que esta me ajudando muito nesta luta diaria contra a minha dor por que ela tmb passou por isto add eu recomendo.
http://umaestrelasofia.blogspot.com.br
bjus....
Não adianta não chorar, não falar, não gritar, não desabafar. Porém nem sempre as pessoas que estão a nossa volta sabem como ouvir, o que falar e como aconselhar.
As pessoas, nestes casos, só precisam estar ao lado, se colocar ao lado, se fazer presente, amparar, abraçar; não adianta dar exemplos, fazer colocações simplistas ou religiosas do assunto, porque somente a mulher que perdeu sabe o valor que tinha este filho, e somente ela sabe o tamanho da sua dor.
Perder um filho é perder um pedaço de nós, sobreviver à perda, é o aprendizado que advém de tudo isto
Feliz dia das mães mamães de anjos...

quinta-feira, 10 de maio de 2012

PERDER UM FILHO...

É como acordar e ver que tudo não passou de um sonho;

É como voltar de marcha-ré todo o caminho já percorrido;

É saber que uma nova gravidez pode acontecer a qualquer momento, mas mesmo assim parece ter sido a única;

É ter que esperar passar o tempo para se sentir melhor, mais quanto mais o tempo passa mais a dor aumenta;

É sentir que tudo ficou sem graça;

É saber que isso acontece, é natural, é comum, faz parte da vida, mas é péssimo!

É sentir solidão porque já havia se acostumado com a idéia de mais um, carregando alguém na barriga, depois acorda do pesadelo e esse alguém nunca vai chegar;

É procurar a causa da perda mesmo sabendo que não dá para encontrar;

É alternar fases de não querer mais engravidar com outras de desejar conceber imediatamente;

É ter acreditado que comigo não aconteceria esse imprevisto e perceber que essa sensação de proteção é falsa;

É conhecer mulheres que engravidaram na mesma época e observar seus bebês imaginando como estaria o meu agora;

É ser obrigada a voltar a sua antiga rotina sem aquela constante euforia interna e ansiedade gostosa da espera de alguém querido chegar;

É sofrer sozinha, apesar do apoio do marido,da família e dos amigos;

É ter que encarar de frente a frustração e a sensação de incompetência;

É exercitar a paciência para esperar o que o destino está guardando;

Enfim, é aprender a lidar com os fatos indesejados da vida e seguir em frente mesmo com a tristeza lá no fundo.

É ter pânico só de pensar em passar por isso de novo;

É querer contar para o mundo sobre uma próxima gravidez somente depois de estar com o bebê nos braços;

É assim q
e me sinto....u
Aprendi a ser um tipo diferente de mãe, de não chegar a beira do berço para ver se está tudo bem, eles nunca estiveram naquele berço. Aprendi a ver seu quarto vazio e tentar achar que isso é normal. Aprendi a pedir pela manhã toda noite, por ser tão difícil dormir sem vc. Eu tive que aprender a rezar de outra maneira pois meu Deus apesar de levar meus bebês, fez isso por algum motivo muito... justo, pena que eu ainda não entendo... Entre choros e sorrisos estou aprendendo a conviver com a dor de perder meus filhos tão perto de tê-los nos braços. Eu sou uma mãe especial, eu sei, mãe de 2 seres espirituais. Aprendí, mas isso não ameniza a minha dor. Mal podia esperar o dia de seu nascimento, mas me vi colocando flores num túmulo. Aprendí que somos mães desde a concepção. Sempre me alegrei com o nosso presente, com cada consulta, com cada ultra durante todo o pré-natal e planejva com muita felicidade o futuro que teríamos juntos. Não houve futuro, não aquele que eu sonhei... Hj sou a mãe que chora todo dia, que olha para barriga vazia e passa a mão com saudades... Não sou aquela mãe que diz não, que ensina, sou uma mãe que suplica e se pergunta como estará meus filhos? Mãe que pede que o inverso do universo aconteça, ao invés de eu cuidar deles, que eles cuidem de mim. Isso é ser mãe especial, diferente. Mas como eu queria ser normal!!! Aprendi q qdo um filho morre, vc acha q vai morrer, mas não, vc aprende a conviver com a dor para aprender a sobreviver, e q devemos não perguntar o pq e sim tentar comprrender para quê!!!

By #Bianca Braga

10/04/2012

10/04/2012 Este dia estara marcado em minha vida para sempre em minha vida... Foi o dia que vc minha Ester estrelinha me deixou com 7 meses e meio de gestação minha filhinha me deixou e em meu peito ficou um grande vazio dor sem fim...
Hoje faz um mês que minha estrelinha se foi... Ester minha vida a mamãe te ama muito mesmo longe...saudades eternas de vc meu maior tesouro...

ESTER EU TE AMO ETERNAMENTE

Sinto saudades...

glitters