quarta-feira, 5 de junho de 2013

AO FILHO QUE MORREU

AO FILHO QUE MORREU

Ó, filho querido,

Descansa em paz e não tenhas medo
Pois, a partir de agora
Estarás imune ao sofrimento

Quanto a mim,
Saibas que vou amá-lo para sempre
O mesmo amor que eu já lhe tinha
Desde que vivias em meu ventre

Jamais vou te esquecer
E a tua lembrança será para mim
Como se ainda continuasses a viver

Todos os dias, meu filho,
Vou arrumar o teu quarto
Vou dobrar o teu pijama
E, de vez em quando,
Só para fingir que ainda estás dormindo
Vou levar o café em tua cama

E sobretudo, meu filho,
Todos os dias vou dizer-lhe bom dia
Vou beijá-lo no rosto
Vou abraçá-lo bem apertado
e chorar feito louca
Diante do teu retrato
SEMPRE SERA ETERNO

(André Augusto Passari, em "Fragmentos do Tempo", editora artepaubrasil)

Nenhum comentário:

Postar um comentário

ESTER EU TE AMO ETERNAMENTE

Sinto saudades...

glitters